O curso de Jornalismo do Centro Universitário Inta (UNINTA), preocupado com o auto cuidado, abordou o tema a fim de encorajar mulheres a realizarem seus exames e se prevenirem
O curso de Jornalismo do Centro Universitário Inta (UNINTA), preocupado com o auto cuidado, abordou o tema a fim de encorajar mulheres a realizarem seus exames e se prevenirem
O curso de Jornalismo do Centro Universitário Inta (UNINTA), preocupado com o auto cuidado, abordou o tema a fim de encorajar mulheres a realizarem seus exames e se prevenirem

O Outubro Rosa é uma campanha anual de combate e prevenção do câncer de mama, tendo como principal objetivo conscientizar sobre a importância da prevenção e do diagnóstico precoce. O curso de Jornalismo do Centro Universitário Inta (UNINTA), preocupado com o auto cuidado, abordou o tema a fim de encorajar mulheres a realizarem seus exames e se prevenirem. Nas redes sociais foram publicados artes sobre a campanha e incentivos ao autoexame. Iniciativas como essa são fundamentais para a prevenção, visto que nos estágios iniciais, a doença é assintomática.

Entretanto é importante dar atenção a saúde da mulher não só no mês de campanha, mas durante o ano inteiro, pois com informação correta muitos dos casos podem ser diagnosticado e tratados a tempo. A Profº Ma Raquel Cavalcante Soares, docente dos cursos de Engenharia Civil e Arquitetura e Urbanismo, é um exemplo vivo de garra e coragem nessa luta.

A docente relata que sempre fez o autoexame em casa, e em uma dessas vezes conseguiu identificar algo que posteriormente foi diagnosticado como câncer de mama. “Ja costumava fazer o exame de prevenção que acho extremamente importante, mas não havia feito uma mamografia por ser indicada apenas a partir dos 40 anos, sempre costumava fazer o autoexame de mama no banho. Nunca tive nenhum sintoma que me indicasse algo de errado, mas em um dessas ocasiões senti um caroço no meu seio”, comenta.

A Profº Ma Raquel Cavalcante Soares, docente dos cursos de Engenharia Civil e Arquitetura e Urbanismo, é um exemplo vivo de garra e coragem nessa luta.
A Profº Ma Raquel Cavalcante Soares, docente dos cursos de Engenharia Civil e Arquitetura e Urbanismo, é um exemplo vivo de garra e coragem nessa luta.


A professora Raquel Cavalcante ainda conta que o apoio do UNINTA e dos colegas de trabalho, que também foram essenciais nessa jornada, já que sempre recebeu todo suporte e atenção dos amigos e  professores do curso de Medicina. “A primeira leitura do diagnóstico foi feito pelo professor Cícero Igor, assim como outros professores também me deram total apoio e informação”, afirma.

Força e Encorajamento

Raquel Cavalcante ainda passa uma mensagem para as mulheres que estão em processo de tratamento contra o câncer de mama. “Existe vida durante o tratamento e existe vida depois do tratamento, não podemos simplesmente nos entregar. É de extrema importância estarmos com saúde mental, e próxima de pessoas que amamos essa rede de apoio é essencial. Esquecer a idéia que vai ser menos mulher por perder um seio, ou parar de sair por conta da queda de cabelo, se puder praticar exercícios físicos. Entender que é importante que a vida continue e ter esse autocuidado. Também é fundamental se atentar a saúde diariamente, fazer exames ir ao médico porque quanto antes você descobrir, mais fácil é o tratamento. O câncer tem cura, não é um tabu como as pessoas tentam colocar”.

A professora Raquel Cavalcante destaca que o apoio do UNINTA e dos colegas de trabalho também foram essenciais nessa jornada.
A professora Raquel Cavalcante destaca que o apoio do UNINTA e dos colegas de trabalho também foram essenciais nessa jornada.

Amamentação e Câncer de Mama.

A estudante Jaíne Maria Mendes, que é participante da Liga Acadêmica de Saúde da Mulher (LASM) do Curso de Medicina do UNINTA, cita alguns benefícios da amamentação na prevenção do câncer de mama. “Aprendemos que além dos seus variados benefícios para o bebê a amamentação também atua beneficiando a saúde da mulher, pois é considerada um fator de proteção para o câncer de mama, ou seja, atua reduzindo as chances de uma mulher desenvolver tal câncer. Estudos apontam que o tempo de amamentação pode ser um fator diretamente relacionado a esse efeito protetor. Inclusive, a amamentação também pode atuar na prevenção de outros tipos de câncer, como o de ovário e de endométrio. Desse modo, é muito importante o estímulo e o encorajamento do aleitamento materno. O qual deve ser exclusivo até os 6 meses de vida, a partir do qual as mães podem começar a introdução alimentar, sendo importante salientar que as mães devem procurar manter a amamentação até os dois anos de idade ou mais”, destaca.

Além do curso de Jornalismo, outras graduações do UNINTA realizaram ações referentes à campanha Outubro Rosa e utilizaram as redes sociais para prestarem solidariedade às mulheres. Segundo o Instituto Nacional do Câncer, do Ministério da Saúde, o movimento internacional de conscientização para o controle do câncer de mama, o Outubro Rosa, foi criado no início da década de 1990 pela Fundação Susan G. Komen for the Cure. 


Thailane Morais
Estudante do curso de jornalismo
Participante da Agência Júnior de Jornalismo