Apaixonado pelo rádio e pela política, Luciano Clever compartilha suas experiências profissionais com os alunos do curso de jornalismo do UNINTA.

O curso de Jornalismo do Centro Universitário Inta – UNINTA – recebeu o jornalista Luciano Cléver Mesquita Martins, Jornalista, bacharel em Comunicação social pela UFC, com MBA em Politicas Públicas Inovadoras, pela UNIPASSE, e MBA em jornalismo politico. Bacharel em letras e com formação em Teatro, Luciano atua como locutor, já tendo sido apresentador de TV, repórter, editor geral, gerente de marketing e comunicação social, além de secretário de redação, consultor de comunicação social, secretário parlamentar e assessor de imprensa. A inarredável identificação com a política o tornou um dos comentaristas mais renomados e de maior credibilidade do Estado do Ceará. Com a comunicação social na veia e uma declarada paixão pelo rádio, compartilhou um pouco de sua larga experiência numa bem humorada entrevista.

JORNALISMO UNINTA: Luciano, Conte-nos um pouco como tudo começou.

LUCIANO CLÉVER– Boa noite, tudo começou em Sobral. Fui seminarista aqui em Sobral, queria ser padre e quando resolvi não ser padre me perguntei “o que vou fazer agora?”. Na época eu pensava em mudar o mundo. Vou mudar o mundo escrevendo, vou ser Jornalista. Tudo começou quando me desencantei com o sacerdócio e tentando exercer um outro oficio, um outro ministério, na área do jornalismo. Até hoje não me arrependo e faria tudo de novo, gosto da minha profissão.

JORNALISMO UNINTA: O que você poderia nos ressaltar de mais relevante?Qual o segredo pra chegar aonde você chegou?

LUCIANO CLÉVER– Quando saí de Sobral fiz o curso de jornalismo, dois anos depois eu passei em um concurso da Caixa (Econômica Federal), tinha que trabalhar. Na metade do curso fui trabalhar no banco… Um bom jornalista tem que se preocupar em fazer o seu melhor e ser sempre a manchete, tem que estar 24h “ligado”,tem que estar sempre preparado. A profissão é pra quem gosta, não é para fracos. Um bom jornalista exige talento para contar história. Uma dica que dou é entender de Excel…Você tem dados a todo momento então a preocupação hoje é como você tratar esses dados.

JORNALISMO UNINTA: Luciano, você trabalhou no Rádio, Jornal, TV, mas com qual desses você se identifica mais, se é que se identifica mais?

LUCIANO CLÉVER-O rádio, o rádio… Assim, eu me identifico com tudo, mas o rádio é um “tesão” diferente, cada um tem assim um prazer diferente… Eu acordo sempre às 4h da manhã pra ler os jornais e é preciso ter um compromisso com o leitor, ouvinte ou telespectador, e ser humilde, reconhecer que tem de estudar pra dar o melhor para os ouvintes! O rádio tem esse prazer da comunicação instantânea e hoje em dia tem sempre uma câmera, enquanto que do outro lado há sempre alguém exigente, te vendo e cobrando de você, o que torna a tarefa um desafio…

JORNALISMO UNINTA: Em algum momento de todo essa sua trajetória até aqui, você pensou em desistir?

LUCIANO CLÉVER – Não, jamais. Nunca mesmo. Desde que entrei sempre fui apaixonado pela profissão. É algo bem amplo, eu poderia desistir de uma coisa e pulava pra outra. Mesmo no inicio na Caixa que também foi uma grande escola. Trabalhei sempre nessa área da comunicação. Mesmo assim nunca me passou pela cabeça desistir.

JORNALISMO UNINTA: Dentre todos esses trabalhos que você fez ao longo da sua carreira, existe um ou mais eventos que você destacaria, que foi marcante na sua trajetória até hoje?

LUCIANO CLÉVER-Há umas coisas de sorte… Na Gazeta Mercantil eu era chamado de repórter elétrico e, na época do FHC, haviam muitos apagões e se discutia muito soluções para a área energética e eu tive muito contato com gente ligada à energia eólica com que obtive a informação de que a Coelce pretendia trazer uma “barca”, uma usina eólica embarcada para o Ceará. Em uma entrevista coletiva eu acabei chegando atrasado mas, mesmo assim, consegui o “furo” ao questionar se “o negócio da barca” havia dado certo e com a resposta negativa lancei uma matéria que foi manchete nacional: “Coelce abandona a Barca” e todos os “jornalões” de Fortaleza “comeram poeira”! Eu fiz um texto que não tinha como não ser meu, era muito autoral, mas dois dias depois eu vi essa matéria no Diário do Nordeste, vindo do Estadão, pelo que acabei sabendo que uma amiga havia “mudado” o texto mas acabou deixando muitas expressões e informações que “eram minhas”.

JORNALISMO UNINTA:Ao ouvi-lo em um de seus programas, você ressaltou como importantes três verbos que o jornalista deve evitar falar. Você pode comentar um pouco sobre os mesmos?

LUCIANO CLÉVER– Em primeiro lugar, você nunca pode colocar em manchetes os verbos DEVER e PODER, um exemplo foi um destaque da Folha de São Paulo: “STF julga matéria que deve mudar a sentença na lava jato”. Então esse ‘’deve‘’ já é um destino da manchete. Outra coisa, o jornalista deve ter cuidado com pessoas que não entendem, pois pode ter coisas que falo e posso não entender ao certo, me preocupo com as palavras. Um bom jornalista também precisa possuir fontes, pessoas importantes em especial, sempre.

JORNALISMO UNINTA: Dando uma analisada na sua trajetória é bastante notório uma certa paixão a mais pelo meio politico…Porquê?

LUCIANO CLÉVER– Nos últimos anos, aliás, muito mesmo porque sou apaixonado por politica, eu trabalhei como comentarista politico, alias eu sou um comentarista politico. Então, a partir daí tudo pra mim começou a girar em torno de politica. Alguns de vocês ou quem está iniciando vai ter sempre uma preferencia e eu comecei a me encaminhar para o meio político, gosto muito de política, porque tudo envolve política, assim como tudo é cultura. Nós, profissionais da área, nos afastamos de política por achar um erro e, na verdade, isso é um erro, pois ou tomamos conta de entendê-la ou seremos governados pelos mal políticos.

JORNALISMO UNINTA: Se você fosse começar sua carreira hoje, o que você faria de diferente?

LUCIANO CLÉVER– Eu teria estudado mais. Sabendo hoje como é, eu teria estudado mais Excel, procurado entender melhor. Uma dica que dou é estudar mais e entender de dados. Há diversos cursos que ensinam, e estudar mais inglês também.

Confira ainda: Link do vídeo no YouTube: https://youtu.be/HJeS3SGeZjo

Disciplina: Gêneros e Técnicas Jornalísticas
Alunos: Thyago Donatto, Priscila Cunha e Aldemir Mourão

Professor: Augustiano Xavier